quarta-feira, 21 de março de 2012

Deus escreve certo por linhas tortas



É um velho ditado que vez por outra faz todo sentido do mundo. Meu irmão Ricardo é portador da Síndrome de Down. Isso lá nos anos 60,quando ele nasceu, era muito dramático. Triste mesmo.Pouco se sabia, os familares escondiam seus doentes “ mongolóides “ e era difícil inseri-los na sociedade. Eles viviam meio à margem, num mundinho particular. Felizmente isso nunca aconteceu com  meu irmão. Foi dramático sim, porque minhas colegas chamavam meu irmão de “bobinho”, e eu era bobinha o suficiente pra sofrer.Lá  em casa foi uma pequena revolução. Tudo começou a girar em torno do Ricardo. Felizmente meu pai era um grande médico, e juntamente com Alda Strazulas, Jô e Antonio Clemente, e Ruth da Silva Telles, fundou a  APAE ( Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), em São Paulo. Isso começou a dar uma nova perspectiva de vida aos nossos especiais. E o Ricardo saiu-se muito bem. Ele tem um gênio maravilhoso. Sempre de bem com a vida, gosta de todos, não discrimina ninguém. Curte a vida, é super saudável e aprendeu a conviver em sociedade, de tal forma, que ouso dizer que é muito mais adequado que muita gente normal....aliás quem não é normal aqui?  O Ricardo é, e muitas vezes mais equilibrado do que eu. Graças a novos costumes sociais hoje há espaço para todos. O meu irmão, que ao nascer,inicialmente nos pareceu um problema, na minha família virou solução, porque com seu jeitinho doce virou  a unanimidade da casa e eu particularmente,tenho ele como minha estrela, meu anjo-da-guarda. Da minha família original, só sobreamos nós dois. Ele é meu pai, meu irmão, meu tudo, e ao longo do tempo, só me ajudou.Ele é a minha grande herança. Chego a achar que sua vinda ao mundo foi em meu benefício. O que declaro aqui é que sou fã incondicional do meu irmão, e que a convivência com ele e seus colegas só fez acrescentar amor e esperança a minha vida. Tudo que se possa fazer por eles é válido e necessário, porque o amor deles é de ordem superior, e nos tempos que vivemos essa semente de amor é importantíssima! Viva o Ricardo ! Viva a turma “Down”, que de down  só tem o nome. É pra cima e não pra baixo!

Entra aqui, em oposição aos “Down” e o grande amor que existe em seus corações, essa xenofobia que anda destruindo tantas vidas.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Perguntas sem respostas

                                   


Depois de um seminário com esse título pomposo,” A Arte de Viver em Plenitude”,fiquei pensando na minha vida e na dos outros. O que significa isso?Será o mesmo para todos? Claro que não! Cada um de nós é um ser único, e a a cada um de nós pertence uma história, um destino, um trajeto. Primeira pergunta/dúvida: Qual será o meu? Vida, destino, missão....qual será a minha? Por que estou aqui,neste momento,já que sei que nada é por acaso? A que me destino eu, uma capricorniana, que se supõe saiba mais do que qualquer outro  que a vida é trabalho, e trabalho é responsabilidade, coisa da qual eu ,desde menina, intuitivamente,nunca fugi.Também sei que plenitude pressupõe gozo, prazer de viver , e que a vida não é só trabalho. Então a questão que se coloca é : como podemos  dar conta de tudo, trabalho,responsabilidade,obrigação,ambição,expectativas e ainda assim ser feliz e plena, sem deixar um minuto sequer de perder de vista a nossa trajetória nesta vida? Se a minha questão fundamental passa por trabalho e o reconhecimento do que vim fazer, a minha esfera de atividade passa a ser uma escolha importantíssima. Tenho que trabalhar naquilo que gosto. E será que a minha eVisualizarscolha corresponde ao que vim fazer? O que realmente me importa e aonde vou buscar e achar essas respostas?Será que a criança que eu fui e a menina que sempre serei sabem do que eu estou falando, ou a cada fase da minha vida pertence um determinado alvo, que esse sim pode me levar à plenitude? E se tudo é uma questão de consciência e clareza, basta eu estar presente em qualquer situação e estarei salva...é isso? Que energia existe em meu ser ,que independente da minha idade ou fase de vida,sempre me dará a chave do meu caminho?Pois é, muitas perguntas, nem tantas respostas. Um título pomposo e guloso.O que vale mesmo a pena na vida é curtir cada momento como se fosse único. Procurar ser feliz e aprender a tirar partido até das adversidades. Viver é bom e vida plena é entrega total. Vida feliz é encarar o que vem de peito aberto e então as respostas aparecerão no sorriso, no brilho do olho, no dar as mãos . Compartilhar. Viva primeiro que a resposta vem depois !


quarta-feira, 7 de março de 2012

Mulher hoje e sempre!





Existe em nós compreensão e delicadeza, maternidade e paixão. Existe amor acima de tudo e de qualquer suspeita. Já ouvi algumas vezes,mulheres dizendo que na próxima encarnação virão homens. Eu não, volto mulher. Gosto de ser mulher. Gosto de ser o que eu sou. Gosto de amar apaixonadamente, servir,cuidar, me lambuzar de amor.Penso na menina que já fui e na mulher que sou. Ambas existem em mim e continuam firmes em busca do sonho e da esperança de que venceremos ,Faremos deste mundo um mundo melhor. Penso na amante apaixonada que posso ser e penso na mãe protetora e encorajadora que também sou. Lembro dos homens que passaram pela minha vida...verdadeiros ou não, heróis ou vilões, a todos me dediquei com afinco e presença constante,dando o melhor que pude. Errei e acertei também. Construí e desconstruí, sempre pensando em melhores edificações. Dei força, trabalho e muito carinho,porque sou dengosa. Assim é a vida das mulheres. Capazes de tudo e qualquer coisa por amor. Guerreiras e servas. Tudo tem seu momento e sabemos agir para que nada falte aos nossos queridos. Somos brigonas também. Nervosas,vaidosas, impetuosas,faladeiras...mas tudo com um gosto irresistível de vida. Da vida que geramos, temos e vivemos. Queridas amigas, lindas mulheres, guerreiras e doces, pecadoras e santas, que nunca se esqueçam de ser tudo o que podemos e queremos. Viver plenamente e enriquecer o mundo com as nossas sementes de amor e de vida.
Com carinho, Cris

sexta-feira, 2 de março de 2012

um sábio conselho de Buda




Tenho refletido muito sobre a vida. A nossa efêmera existência. Quando se nasce é uma verdadeira explosão de luz e energia. Ficam todos maravilhados com esse mistério estrondoso que nos traz a este planeta ,para compartilhar um momento deste universo infinito.Somos todos estrelas...pontinhos ou contas do colar da humanidade. Após a chegada, a constatação e a certeza de que houve um acordo prévio, uns pra lá, outros pra cá, uns ricos e outros pobres, uns com sorte, outros perdidos,doentes, miseráveis...porquê, jamais saberemos. Mas sabemos que temos que sobreviver, e a luta começa, princesa ou plebéia, a vida não livra a cara de ninguém. E o tempo vai passando...inicialmente o tempo é rico e farto,parece que temos todo o tempo do mundo...queremos crescer rapidamente porque parece que o mundo é dos adultos que tudo podem. O que podemos? Alguém sabe? Podemos de fato escolher o que queremos ser, sem limitações? Podemos seguir para a esquerda, ou nossa estrada já tinha um caminho marcado ? O que será que aconteceria se na hora h tivéssemos mudado o percurso? Jamais saberemos! Mas com certeza compreendemos que o tempo passa muito depressa, escorre pelas nossas mãos feito água que não podemos conter. E de repente, você olha pra trás e se sente meio roubado. Ainda ontem eu era tão criança, e agora...fiz o que queria ? ainda dá tempo pra fazer mais e melhor? Agora já aprendi muitas coisas, talvez não errasse tanto, mas quanto pra frente,também jamais saberemos. Tudo isso, na boa, sem mágoas ou grande sofrimento,apenas pensando na promessa do brilho da estrela, que ao nascer, tem todo um universo pra brilhar e se fazer notar, e que com o tempo compreende que esse brilho tem nuances anteriormente não perceptíveis...é preciso ampliar o olhar pra que se veja a luz e o brilho, mesmo em meio a névoa,nuvens, escuridão. Mas isso aprendemos também, e com isso o nosso coração se alarga e os lábios sorriem de uma forma me menos galáctica, porém muito mais humana. Não, não sabemos muito, mas a doutrina de Buda, na verdade uma grande filosofia, prega a mais sábia das verdades....” nem ontem, nem amanhã, o dia é hoje”, e se fizermos isso ampliamos nosso tempo,com o grande prazer que pode nos dar a vida, ao vivermos cada dia de forma especial e única. Uma só vida com muitas vidas,muitos hoje, muitos desejos, muitos tudo, para que a nossa vida seja uma estrela brilhante e visível, cuja duração deixaremos na mão de quem de destino for...o que importa é que a vida é bela e dela temos que tirar partido...uma estrela, uma gota, uma conta...que importa, o que importa é viver, “zen” vergonha de ser feliz!